skill-retention-corporate-training

Treinamento Corporativo: 3 Maneiras de Reforçar a Retenção de Habilidades

Share this:

Existem muitas teorias que descrevem como aprendemos habilidades. Podemos examinar a literatura sobre Esquemas que sugere que quando aprendemos uma nova habilidade de comportamento, um esquema é criado em nossa memória. Esse esquema pode ser retomado no futuro para guiar nossa performance desse comportamento (Gagne e Medsker, 1996).

Podemos também recorrer a teorias mais práticas que falam sobre demonstração, prática, feedback e repetição. Como resultado de anos de pesquisa sobre a habilidade de aprendizado, sabemos que demonstração e prática são partes integrantes da aprendizagem (Kemerer, 1991). Aprender uma nova habilidade, contudo, é apenas um passo no processo de aprendizagem.

Como assegurar que as novas competências sejam mantidas e reforçadas uma vez que os alunos retornem a seus postos de trabalhos? Para que o treinamento seja eficaz, o empregado precisa aplicar no trabalho o que aprendeu. Caso contrário, todo o tempo, dinheiro e esforço dispendidos no treinamento são desperdiçados.

Este artigo é duplo. Primeiramente, apresenta a breve descrição de um ciclo de aprendizagem no local de trabalho que pode ser aplicado em todas as áreas de atividades. Posteriormente, discute três elementos-chave para reforçar a retenção de competências: repetição, aplicabilidade e utilização de tecnologia.

Treinamento Corporativo: 3 Maneiras de Reforçar a Retenção de Habilidades

Ciclo de aprendizagem no trabalho

Primeiro passo: Identificar a Habilidade a ser Aprendida

Treinamento não é necessário a não ser que haja a identificação da necessidade de treinamento. O treinamento se torna uma intervenção para a melhoria de desempenho quando há uma habilidade específica que um funcionário precisa adquirir. Esse é o primeiro passo do ciclo de aprendizagem: identificar a habilidade a ser aprendida.

Segundo passo: Acessar os Recursos de Aprendizagem

Em seguida, os alunos precisam ter acesso a vários recursos de aprendizagem. Sabemos que as pessoas aprendem de maneiras diferentes. É benéfico, portanto, possuir recursos de aprendizagem que abordam diferentes estilos de aprendizagem. Por exemplo, cursos on-line, manuais, guias de referência, vídeos, verificações de habilidades etc.

Terceiro passo: Completar Estudo e Autoavaliação

Autoavaliações são ferramentas de aprendizagem que permitem que os alunos confirmem sua compreensão dos principais pontos de aprendizagem. As respostas incorretas e as perguntas correspondentes são identificadas para direcionar os esforços de revisão do aluno.

Quarto passo: Completar Avaliação de Conhecimento

Os recursos de aprendizagem e as autoavaliações ajudam os alunos a atingirem seus objetivos de aprendizagem e na preparação para o quarto passo, a avaliação de conhecimento. Uma avaliação é planejada para confirmar o domínio da parte relativa ao conhecimento da habilidade.

Quinto passo: Participar de Demonstração no Trabalho

O quinto passo envolve a demonstração da habilidade no trabalho. Essa demonstração é realizada por um instrutor designado utilizando um padrão de desempenho alvo.

Sexto passo: Praticar com Instrutor

Em seguida, o aluno pratica a habilidade. A prática é necessária para desenvolver a capacidade do aluno de realizar a habilidade no local de trabalho e reforçar e reforçar a retenção da habilidade.

Sétimo passo: Completar Avaliação Prática

Uma vez que ele ou ela se sinta confiante em sua capacidade de realizar a habilidade, uma avaliação prática será realizada por um membro da equipe competente ou um supervisor tendo como referência padrões prescritos.

Só porque o aluno concluiu com êxito a avaliação prática não significa que ele irá reter a habilidade se não for algo feito diariamente. Para que o treinamento seja eficaz, os alunos devem ser capazes de transferir a habilidade para seus trabalhos do dia-a-dia. São necessárias medidas para reforçar o que foi aprendido a fim de promover a retenção das habilidades.

Oitavo passo: Recertificação

A etapa final do ciclo de aprendizagem é a recertificação. Isso não se aplica a todas as áreas de atuação, mas pode ser exigido que o aluno, após um determinado período de tempo, redemonstre a sua capacidade de realizar a habilidade.

Se a recertificação não é exigida em sua área, a reavaliação de seus funcionários de vez em quando não prejudica, garantindo que eles têm a formação necessária para serem bem-sucedidos.

Ciclo de Aprendizagem (BaseCorp Learning Systems)

Figura 1. Ciclo de Aprendizagem (Adaptado de BaseCorp Learning Systems)

Três Elementos-chave para Reforçar as Habilidades Aprendidas por meio de Treinamento

Uma vez que um aluno conclua o ciclo completo de aprendizagem, é hora de reforçar essas habilidades. O treinamento não é uma instância “uma vez e feito”. O reforço é fundamental para manter essas habilidades em mente.

Existem três maneiras de reforçar habilidades: repetição, aplicabilidade e uso efetivo da tecnologia.

1. Repetição

A repetição é um princípio-chave da aprendizagem. Também é fundamental para a retenção de habilidades. Lembre-se de quando você aprendeu a andar de bicicleta ou dirigir um carro. Primeiro você precisava aprender a habilidade. Depois, foi necessário praticar e, eventualmente, à medida que você se tornou mais confiante, andar de bicicleta ou dirigir um carro tornou-se uma segunda natureza. Foi pela repetição que essas habilidades foram reforçadas. Pense no local de trabalho – digamos que você trabalha como vendedor em uma loja de roupas. A primeira vez que você interagiu com um cliente, provavelmente não foi bem. Depois de passar por treinamento e praticar interagindo com clientes, você provavelmente se tornou muito melhor. Foi por meio da repetição que você melhorou.

A repetição forma tanto a memória quanto a confiança. Essa é a base para que um comportamento ou uma tarefa se torne “segunda natureza”. À medida que os funcionários completam seus treinamentos e retornam para o local de trabalho, é importante que sejam fornecidos recursos que os lembrem das nuances da habilidade recém aprendida. Seja por reforço verbal, dicas de trabalho ou guias de referência, sempre que um funcionário consulta um desses recursos, eles são lembrados da habilidade. Isso os ajuda a usar com sucesso a habilidade em seus trabalhos. Lembre-se, a prática leva à perfeição.

2. Aplicabilidade

Para que o treinamento seja eficaz, o empregado deve ser capaz de aplicar o que foi aprendido no treinamento em seus trabalhos diários. Isso é normalmente denominado transferência. Os alunos podem “aplicar” no mundo real? Os princípios de aprendizagem para adultos sugerem que se os alunos não veem a relevância ou como a aprendizagem de uma determinada habilidade é diretamente aplicada ao seu trabalho, eles são menos propensos a transferir e reter essa habilidade. Alunos adultos precisam ver a relevância do que estão aprendendo. Se a habilidade não for aplicável, o aluno não verá o valor na experiência de treinamento ou na retenção da habilidade.

Para obter mais informações sobre a Teoria da Andragogia (theory of andragogy) de Malcolm Knowles (teoria sobre como os adultos aprendem), visite infed.org.

3. Tecnologia

Se utilizada de forma eficaz, a tecnologia é uma excelente ferramenta para reforçar competências. Após o final do treinamento, há muitas oportunidades para você ajudar os alunos a consolidarem o material aprendido. A tecnologia permite que os funcionários aprendam de qualquer lugar. O reforço do treinamento não precisa interromper o dia de um funcionário ou retirá-lo de outras atividades de trabalho. A microaprendizagem, ou lições rápidas projetadas para disponibilizar o conteúdo em segmentos do tamanho de uma mordida, incentiva a participação dos funcionários (veja o post de nosso blog “Motivos para Adotar a Microaprendizagem em seu Treinamento On-line ” para mais informações).

Mais frequentemente, você tem visto organizações usarem gamificação. De acordo com Anthonie Wurth, fundador do MindMarker, “quando empregados são motivados por sua competitividade para vencer o desempenho dos colegas no jogo e se envolverem no ambiente divertido do jogo, eles são mais propensos a se lembrarem do material aprendido ou da habilidade”. Após o treinamento, você quer criar oportunidades para a prática. Quando recursos de jogo são combinados com incentivos e recompensas no seu planejamento de aprendizagem pós-treinamento, os alunos são mais propensos a participarem e a reterem a nova habilidade.

A aprendizagem social (utilizando fóruns e construindo comunidades de prática) permite que os funcionários interajam com seus colegas por bate-papos interativos e discussões on-line. Essa é outra estratégia em que a tecnologia pode contribuir para a retenção. Métodos de aprendizagem social incluem fóruns on-line onde os alunos podem fazer perguntas ou a publicação de postagens em que os funcionários podem escrever ou comentar sobre tópicos específicos e os empregadores podem responder. Fóruns também fornecem um ambiente em que os empregadores podem rapidamente fornecer informações novas ou atualizadas.

Conclusão

Há três estágios de treinamento: antes, durante e depois (veja o post de Karla Gutierrez). Este artigo detalhou o ciclo de aprendizagem, que ocorre na segunda fase do treinamento, bem como focou em como as habilidades são mantidas uma vez finalizado o treinamento. A retenção de habilidades é importante porque afeta o desempenho de um funcionário no local de trabalho. Ao construir estratégias que incluem repetição, que são aplicáveis e que utilizam a tecnologia de forma eficaz, é possível a transferência das habilidades aprendidas no treinamento para o local de trabalho.

Notas:

[1] A Teoria do Esquema explica como os indivíduos entendem o mundo utilizando representações mentais ou esquemas armazenados em sua memória. O esquema é o modelo dentro do cérebro que representa o que um indivíduo sabe sobre um determinado tópico (Piaget, 1945).

Share this:
user-gravatar
Sarah Flesher

Sarah is an Instructional Designer at BaseCorp Learning Systems and is currently completing a PhD in Educational Technology. Her research focuses on implementing competency-based learning systems in all types of organizations. When she doesn't have her nose in a book you can find her at the gym, on the ice, on the ski hill, drinking wine or in a coffee shop … with her nose in a book.

No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website